quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Mentira

Dê uma passada geral do que é de bom gosto, um chá verde com biscoito e canela estão na mesa de cabeceira combinadas com uma nova luminária um tanto quanto esquisita e livros a espera de serem lidos. Pare de fingir que não há tempo, há tempos nada se move aqui e agora num instante de quebra de inércia os papeis velhos que foram guardados estão sendo deportados, transformados.
Alguém fingiu ser útil por tanto tempo e o tempo escorreu e a verdade esvaiu-se num ralo raro. Porém, mesmo que este alguém pareça perdido pode ser que tenha se encontrado. Um dia todos nós vamos ter que achar algo em algum lugar que nos faça encontrarmo-nos... Seja num parque, num hospital, num livro... Ou até mesmo em um asilo depois de tanto tempo de vida, aparentemente.
A busca é constante, os sentidos nos pedem sentido, e o chá com biscoitos de canela podem não ser mais verdade alguma quando anoitecer e então o ralo se abre, a cabeça sana vai junto.
Quem se importa?
Talvez eu, talvez você, no final das contas todo mundo aponta certa preocupação com os "esvair-ses" da vida, mesmo que, corriqueiramente, seja consciente o ser tão passageiro de tudo nessa estrada.
Esse vai e vem mais frequente que as ondas do mar, acabam por se confundirem com loucuras, dessas que todo mundo agradece por ter, mas quer se livrar. Das perguntas sem respostas, das escolhas sem apoio, o pensamento humano mais chavão, as clichês dúvidas guardadas e o medo cretino de ser anormal.
Ignore tudo dito então, seus pensamentos te confundirão aos dez, aos dezoito, aos trinta, aos sessenta e cinco e pedras a frente...
Uma conta de luz não paga, um telefone mudo e o silêncio nada musical podem se tornar uma sinfonia.

Um comentário:

Luana Fonseca :) disse...

"Ignore tudo dito então, seus pensamentos te confundirão aos dez, aos dezoito, aos trinta, aos sessenta e cinco e pedras a frente..."

Esse texto é fantástico e você é linda (:

amo muito.